Bolsonaro acredita que não tem ainda votos para aprovar reforma da Previdência

O presidente Jair Bolsonaro reconheceu que o governo tem tido dificuldade em montar uma base no Congresso para aprovar a proposta de reforma da Previdência e disse acreditar que ainda não tem os 308 votos necessários para aprovar a proposta de emenda à Constituição (PEC) no plenário da Câmara, mas afirmou que parlamentares “reticentes estão cedendo”.

Segundo Bolsonaro, embora “uma minoria” dos deputados seja contrária às mudanças nas regras de aposentadoria, o desgaste político é um impeditivo para que o projeto angarie maior apoio. “Os governadores dizem que querem aprovar a reforma, mas que têm dificuldade com suas bancadas”, disse o presidente em entrevista ao Programa do Ratinho, do SBT, exibida na noite desta terça-feira, 4. O programa foi gravado no dia 27, nos estúdios do SBT em São Paulo.

Perguntado se a tramitação do projeto tem “demorado”, Bolsonaro destacou que a Câmara está cumprindo os prazos regimentais, apesar dos “ruídos”, e enfatizou que está à disposição do Parlamento para discutir a reforma, diz o MSN.

Na conversa com Ratinho, o presidente disse ainda confiar que a aprovação da reforma da Previdência destravará investimentos no Brasil. “Demonstrando que fizemos o dever de casa, o recurso vem.”

No programa, Bolsonaro e o apresentador buscaram destacar os benefícios aos trabalhadores pretendidos com a reforma e tirar dúvidas da população em relação ao projeto. Também abordaram argumentos comumente usados para refutar a necessidade da reforma, como a dívida de empresas com a Previdência. “Estamos trabalhando nesse sentido (de cobrar das empresas)”, disse Bolsonaro, citando medidas judiciais. Em seguida, Ratinho defendeu que isso já deveria ter sido resolvido por governos anteriores e reforçou: “Quem está cobrando é a equipe do Bolsonaro”.

ONGs e projeto anticrime

Embora a pauta da Previdência tenha predominado, o presidente comentou ainda sobre outras propostas de seu governo. Ele reiterou a intenção de cortas verbas a ONGs que não são “bem intencionadas”, como aquelas que “alimentam o Movimento Sem Terra (MST)”. “Na Amazônia, tem mais ONG que índio”, disse.

Sobre segurança pública, Bolsonaro saiu em defesa dos decretos sobre posse e porte de armas de fogo editados por seu governo. Questionado sobre a questão do excludente de ilicitude, que consta no projeto anticrime do ministro Sérgio Moro, Bolsonaro respondeu que “se nós colocarmos armas nas mãos da polícia militar, é para usar”. “Se não é para usar, deixa em casa!”, acrescentou.

05/06/2019

(Visited 2 times, 1 visits today)