Champanhe: fatos curiosos sobre a bebida mais popular das celebrações!

Não há dúvida: a bebida por excelência do Natal e do Ano-Novo – e, em geral, de todas as celebrações – é um vinho francês de coloração dourada e cheia de bolhas: o champanhe. A cada ano, são produzidas 268 milhões de garrafas desta bebida espumante e, só na noite de Ano Novo, são consumidas no mundo 360 milhões de taças de champanhe para festejar a virada. As informações são da BBC. Conheça a seguir dez curiosidades do vinho mais efervescente do mundo.

1. Quem inventou o champanhe?

A tradição atribui a descoberta do champanhe a Dom Pierre Pérignon, um monge beneditino francês que viveu entre 1638 e 1715 e que passou boa parte de seus 77 anos de vida na abadia de Hautvilliers, situada em plena região de Champagne, onde o espumante francês é feito. A lenda conta que ele chegou à fórmula do famoso método de dupla fermentação por acaso e que, quando bebeu pela primeira vez, sentiu em sua boca uma explosão de bolhas e disse aos outros monges: “Venham correndo, estou bebendo estrelas!”.

2. Bebida dos reis

Contam que, quando Hugo Capeto foi coroado rei da França em 987, em uma cerimônia solene que teria ocorrido na catedral de Reims, em Champagne, começou uma tradição que logo seria seguida pelos monarcas seguintes de brindar com vinhos daquela região, que, mesmo elaborados com as mesmas uvas do champanhe, ainda não tinham suas bolhas características. A partir de Hugo Capeto, cerca de 30 reis franceses foram coroados em Reims e, nas festas, sempre eram oferecidos vinhos dali, que, pouco a pouco, foram ganhando fama.

3. Bebida de amantes dos reis

Luis 15 foi um grande degustador de champanhe e bebia sobretudo na companhia de suas amantes. A mais famosa de todas elas, Madame de Pompadour, foi quem imortalizou a frase: “O champanhe é a única bebida capaz de fazer uma mulher mais bela”.

Conta a lenda que as primeiras taças criadas especificamente para beber champanhe, de boca larga e em formato de um seio, foram feitas por ordem de Luis 15, tomando como modelo a mama esquerda de Madame Pompadour.

4. Quantas bolhas há no champanhe?

Há mais de sete milhões de bolhas em cada garrafa, um milhão em cada taça.

5. De onde vêm as bolhas?

As bolhas do champanhe são resultado de um fungo microscópico, a levedura, que precisa do açúcar para sobreviver e, quando o consome, libera um gás: o dióxido de carbono. A levedura é responsável por transformar o açúcar em álcool através do processo de fermentação.

O champanhe é feito por meio de uma fermentação dupla. Na primeira, dificilmente se formam bolhas, porque as uvas com as quais o vinho é feito não são muito doces, então, elas têm pouco açúcar e, de qualquer forma, o dióxido de carbono pode escapar. Mas, na segunda fermentação, os produtores de champanhe adicionam um pouco de açúcar e mais levedura ao vinho e selam bem as garrafas com uma rolha especial. A fermentação do açúcar produz grandes quantidades de dióxido de carbono, que não consegue escapar e permanece dentro da garrafa. O champanhe tem, portanto, um maior teor alcoólico.

6. Sob enorme pressão

Dentro da garrafa de champanhe há uma enorme pressão, equivalente a três vezes aquela do interior do pneu de um carro.

7. Só é champanhe se é francês

Somente se pode chamar de champanhe a bebida feita com uvas com da região de Champagne, onde crescem três variedades – pinot noir, pinot meunier e chardonnay –, e seguindo o método tradicional de fermentação dupla, o “método champenoise”. Além disso, deve ficar pelo menos 15 meses envelhecendo, como o processo de amadurecimento dos vinhos é chamado, para obter as melhores nuances e aromas.

8. O que a região de Champagne tem de especial?

A região onde o champanhe nasce fica quase no extremo norte da França. É uma das áreas de vinhedos em maior latitude da Europa, superada apenas pela parte sul da Inglaterra. Uma de suas peculiaridades é que seu solo é calcário, o que lhe permite reter água e calor, favorece a drenagem e confere às uvas uma mineralidade muito particular. Em Champagne, há um total de 34 hectares de vinhedos. Em 2016, essa região foi declarada Patrimônio da Humanidade.

9. Ouro líquido

O champanhe tem geralmente uma coloração dourada suave e, acima de tudo, um preço elevado. É raro encontrar nas lojas uma garrafa desse vinho espumante por menos de US$ 34 (R$ 132), e há alguns que são vendidos por milhares de dólares. Um hectare de vinhedos na região de Champagne custa mais de US$ 1 milhão.

10. Como bebê-lo?

Frio, mas não gelado. A temperatura ideal é de 8ºC, de acordo com especialistas – abaixo disso, parte de seus aromas se perderiam. Algumas variedades podem ser consumidas a 10-12ºC para acentuar suas qualidades. A melhor maneira de resfriar o champanhe é em um recipiente cheio de gelo, onde deve permanecer por cerca de 20 a 30 minutos. Se for colocado na geladeira, deve ser permanecer na parte menos fria por quatro horas, para evitar que se percam algumas de suas propriedades. É absolutamente proibido colocar no congelador, seria um sacrilégio. E também é fortemente desencorajado servir em copos previamente resfriados, porque isso afetaria as bolhas.

31/12/2018

(Visited 6 times, 1 visits today)